fbpx
O que rolou (e o que não) na Virada Cultural 2015

O que rolou (e o que não) na Virada Cultural 2015

Imagem: Prefeitura de São Paulo

Pra você que tinha prova pra fazer no domingo ou ficou de pernas pro ar em casa o fim de semana todo ou teve que viajar pra visitar parentes distantes e não pode comparecer a nenhum eventozinho da Virada Cultural 2015, não surte!

A e-djs pensou em tudo e fez um balanço pra você, contando tudo o que de mais legal rolou na festa que ocorre há mais de 10 anos na capital paulistana! ;D

A Virada Cultural 2015, que aconteceu no último fim de semana, dias 20 e 21 de junho, rolou sem grandes problemas esse ano. A 11ª edição da maior festa da cidade de São Paulo começou às 18h do sábado e terminou às 18h do domingo: 24h de shows, peças teatrais, gastronomia, apresentações, atrações gratuitas e muito mais pelos quatro cantos de sampa.

 

intervenção circence na Virada
Intervenção circence na Virada

Para um evento que é marcado por ocorrência de tráfico de drogas e violência, a Virada Cultural 2015 não deixou a desejar, já que as ocorrências foram visivelmente bem menores em comparação ao ano de 2014, segundo a Polícia Militar (PM) e a Guarda Civil Metropolitana (GCM).

Quanto aos shows, alguns tiveram atrasos ou problemas técnicos (quais grandes eventos não contam com contratempos como este, não é mesmo?), mas de modo geral o público ficou contente com a estrutura, gastronomia e qualidade das mais de 1.500 atrações trazidas este ano.

Como diz meu pai, “Um probleminha sempre dá”. Shows de artistas como Anitta e Margareth Menezes foram anunciados e cancelados e a polícia argumentou sobre a falta de segurança no Minhocão, local que, no final das contas, foi vetado para o evento.

Porém, quem seguiu o Guia de Sobrevivência da Virada, do Site Oba Oba, e se organizou para prestigiar o evento (que terminou com apresentação de Caetano Veloso e tudo), se divertiu bastante!

virada-cultural-2015-Caetano-Veloso-fonte-Google-Imagens
Encerramento – Caetano Veloso

 

Organização

Painéis com a programação da Virada Cultural foram espalhadas nas saídas dos metrôs (que funcionaram 24h sem parar + busão da madrugada) para auxiliar o público a encontrar os palcos pela cidade, porém algumas mudanças ocorreram poucos dias antes do evento e não houve consenso quanto aos horários de muitas atrações: no site a programação era a correta, diferente no que ocorria nesses painéis.

Painéis com a programação do evento
Painéis com a programação do evento

 

Gastronomia

"Galinhódromo" na Praça Roosevelt
“Galinhódromo” na Praça Roosevelt

Teve Galinhada na Praça Franklin Roosevelt! Com onze barracas diferentes, os chefs Alex Atala, Flademir Sá,  Giovanni Carneiro de Oliveira, Guilherme Hoffmann, Janaina Rueda, Luisa Saliba, Raimundo Souza Soares, Rodrigo Oliveira, Rogério Gomes da Silva e Sandro Pessoa apresentaram sua própria versão do prato, que já virou tradição da Virada Cultural. Outras comidas também foram servidas na festa e os preços, considerados acessíveis pelo público, variaram de R$ 15 a R$ 30.

 

Espaço Kids

Palavra Cantada
Palavra Cantada

A Viradinha Cultural sempre teve boa visibilidade na Virada Cultural e, nessa edição, contou com o show do grupo Palavra Cantada, sucesso entre os pequenos. O problema é que o local escolhido acabou não comportando a quantidade de pessoas e muitas crianças acabaram indo embora antes do espetáculo começar, porque não conseguiram um lugar. O show, que atrasou uma hora, teve problemas com o som.

 

Shows variados e de qualidade

Como é característica da Virada Cultural, o evento contou com espetáculos e shows pra todos os públicos e com uma novidade: muitos dos palcos foram espalhados nos bairros, o que ajudou a cumprir a demanda dos moradores mais afastado do Centro de São Paulo.

Apesar de alguns probleminhas técnicos, os fãs não se decepcionaram com a diversidade e qualidade do som nos shows. O palco principal, Julio Prestes, apostou em nomes consagrados em diferentes ritmos e acertou: Fábio Jr., Daniela Mercury, Lenine, Caetano Veloso, entre outros.

Veja a lista dos palcos e das principais atrações:

  • Praça Julio Prestes: Monobloco, Daniela Mercury, Lenine, Fábio Jr., Edson Gomes, Demônios da Garoa, Nando Reis, Emicida com Martinho da Vila e João Donato, Caetano Veloso.
  • Praça da República: Orquestra Paulistana de Viola Caipira, Zé Mulato e Cassiano, Pedro Bento e Zé da Estrada, Matuto Moderno (Ricardo Vignini), Índio Cachoeira e Favoritos do Catira, Cezar & Paulinho, Alceu Valença, Mestrinho, Antônio Nóbrega, Celia e Celma, Oswaldinho e Marisa Vianna, Miltinho Edilberto e Oswaldinho do Acordeon e Wandi, Paulo Freire e Mauricio Pereira.
  • Largo do Arouche: Fábio Stella, Perla, Hits Again e Dave MacLean, Sunday e Dudu França, Banda Metrô, Marquinhos Moura, Ovelha, Agnaldo Rayol, Gilliard, Maria Alcina e Eduardo Dussek.
  • Arouche X Duque de Caxias: Cabaret Trix Mix, Rainha da Virada – Batalha de Drags, Shanawaara, Lineker, Elke Maravilha, Maria Botânica com Xanaína e Irmã Selma (Otávio Mendes) e Verônica Decide Morrer.
  • São João: Jerry Adriani, Clevers com Dick Danello, Tony Campello e Baby Santiago, Eduardo Araujo, Leno e Lilian, Paulo Cesar Barros (Renato & Seus Blue Caps), Fevers , Ronald (Vips) e Deny (Deny & Dino), Os Incríveis, Erasmo Carlos (foto), Martinha e Vanusa, Golden Boys, Wanderléa, The Jordans, Demetrius, Carlos Gonzaga, Prini Lores e Enza Flori.
Emicida
Emicida
  • Rio Branco: Pedro Baby e Beto Lee, Akira S & As Garotas Que Erraram, Odair José, Edy Star & Serguei – Jurassic Rock,Cachorro Grande, Far From Alaska, Krisiun, Korzus, Voodoopriest, Dr Sin, Viper, Robertinho do Recife e Made In Brazil.
  • Barão de Limeira: Vander Lee, Paulinho Boca canta Novos Baianos, Daúde, Chico Cesar, Alzira E, Ortinho, Tom Zé, Curumin, Ná Ozzeti, Wagner Tiso e Tunai, Rita Beneditto, Lô Borges e Feloche.
  • Anhangabaú: Nhocuné Soul, Carlos Dafé, Super Soul, Wilson das Neves, Lady Zu, Di Melo, Bukassa , Mãe Beth de Oxum, Banda Black Rio convida Walmir Borges, Os Opalas & Sandra de Sá, Dexter (foto) e Uma Viagem pelo Rap Nacional.
  • Cásper Líbero: Cumbia Negro, Dona Onete, Sonido Gallo Negro (México), Babel (Argentina), Todo Poderoso Marcial, Omelô (França/Martinica) com Leo Fressato, Badara Seck, Rita Benneditto (foto) e Ana Tijoux
  • Praça da Sé: Terreiro de Compositores, Pagode do Cafofo, Pagode da 27, Samba do Sino, Samba da Cultura, Berço do Samba S. Mateus, Samba de Todos os Tempos, Duda Ribeiro, Yvison Pessoa, Chocolate, Marquinhos Jaca, Flávia Oliveira, Renné Sobral, Emerson Urso, Grazzi Brasil, Inimigos do Batente, Tobias, Roberta Oliveira, Mosquito e Adriana Moreira.
  • Ipiranga: Os Sociais do Forró, Dona Zaíra, Trio Macaíba, Peixelétrico, Filpo Ribeiro e a Feira do Rolo, Diego Oliveira, Trio Marrom, Tiziu do Araripe, 2 Dobrado, Marcelo Mimoso, Trio Dona Zefa e Rastapé.Fábio Jr. - Ludimilla - Marcelo Jeneci
    Fábio Jr. – Ludimilla – Marcelo Jeneci
  • Theatro Municipal: Orquestra Sinfônica Municipal, Laércio de Freitas, Hermeto Pascoal, Arismar do Espírito Santo e Nenê, Bacamarte e Jane Duboc, Língua de Trapo, Alaíde Costa, Fafá de Belém, Diana Pequeno e Ira!.
  • Capela do Socorro: Grupo Raça Negra
  • Brasilândia: Anitta
  • Vila Prudente: Naldo Benny
  • Memorial da América Latina (Cultura Inglesa Festival): Staff Only, Blue Drowse, The Strypes, Gaby Amarantos e Johnny Marr.

CEUs

A programação na Virada Cultural 2015 também aconteceu em diversos CEUs (Centro Educacional Unificado) espalhados pela cidade de São Paulo. Bem eclética, a programação contou com shows e espetáculos para todos os gostos e estilos.Os destaques foram: Z’África Brasil e Sampagode com Leci Brandão, no Cantos do Amanhecer; Trupe Trupê, MC Garden e Ludmila, no Heliópolis; Mano Merenda, Réu, Servidores do Rap e Rael, no Pêra Marmelo, e Leões de Israel e Planta e Raiz, no Vila Curuçá.

SESCs

Diversas unidades do SESC (Serviço Social do Comércio), assim como nos anos anteriores, também participaram da programação gratuita da Virada Cultural. As grandes atrações foram a cantora Bruna Caram, na unidade do Ipiranga; o compositor Jards Macalé, no Pompeia; a banda Ira!, no Belenzinho; o sertanejo Renato Teixeira, no Campo Limpo; Marcelo Jeneci, Otto e Baby do Brasil, no Consolação; Almir Sater, no Interlagos; João Donato, no Itaquera; e as bandas Ave Sangria, Cidadão Instigado e Os Paralamas do Sucesso, no SESC Pinheiros.

 

Falando do que a gente mais entende, a Virada Cultural 2015 não contou, como há 8 anos, com o famoso palco dedicado ao Psytrance nem a um espaço dedicado exclusivamente à música eletrônica. (uma pena :\)

Vasculhamos bem e, diferente dos outros anos, achamos pouquíssimos representantes da cultura DJ.

Os DJs Flávia Durante e Hector Lima (ex alunos da e-djs!) tocaram no Palco Cabaré (Arouche x Duque de Caxias), cada um em um dia da Virada. La Feria Latina, no Largo da Batata, também contou com o set mara da DJ Flávia.

DJ Hector Lima
DJ Hector Lima

 

DJ Flávia Durante
DJ Flávia Durante

O organizador desse palco, Pedro Vidigal, lamenta a exclusão da atração e diz não ter tido uma resposta, por parte da Prefeitura de São Paulo, do motivo pelo qual foram cortados do evento. Em desabafo no Facebook, Pedro diz: “Uma pena pois todos sabem o quanto batalhamos para conquistar esse espaço tão pouco valorizado” e finaliza, “Da mesma forma que lutamos para conquistar tudo isso, lutaremos para voltar ainda mais fortes em 2016. Se vamos conseguir, não tenho certeza…. Mas que faremos de tudo, posso prometer a vocês!”

Esse ano o evento trouxe uma vibe mais experimental que eletrônica. A Estação Luz recebeu Ruído/mm, Hurtmold + Paulo Santos, Anvil FX + Modular Dreams convidam Edgar Scandurra e Dino Vicente,- Loop B, Faust (Alemanha), Insanlar (Turquia), Burnt Friedman (Alemanha), Tigre Dente de Sabre, Boogarins, Grupo Instrumental do Capão, Mawaca, Metá Metá (confira o show do novo CD da Banda, Metal Metal, abaixo).

 

Segurança

O esquema de segurança deste ano levou mais policiamento no trajeto entre palcos, o que foi uma das principais reclamações do público no ano passado. Foram reportadas poucos mais de 80 detenções em relação as mais de 120, em 2014. A Virada Cultural 2015 contou com 3,4 mil policiais  militares e a Guarda Civil Metropolitana teve 2 mil homens nas ruas.

Quem achou que alguns tropeços técnicos que acontecem em todo e qualquer festival, aqui e no exterior, derrubariam a Virada Cultural desse ano se enganou: a resposta do público foi muito positiva!

 

Fala a verdade: você acabou tropeçando em alguma atração esse fim de semana não foi? (hehe) Conte pra gente suas impressões da Virada Cultural 2015 e sugestões para as próximas edições aqui nos comentários! 😀

Acho que o Lenine curtiu =P
Acho que o Lenine curtiu =P